website builder

INDÚSTRIA 4.0

SETOR MOVELEIRO

Como as fábricas de móveis estão se adequando ao novo modelo.

PARA SABER MAIS

Deixe seu e-mail aqui.

NOTÍCIAS

Os desafios e as vantagens da Indústria 4.0 no setor moveleiro.

Desde o processo de implantação, a adaptação e a plena utilização das ferramentas e tecnologias, os obstáculos iniciais deverão ser analisados com bastante cautela. Os fornecedores das tecnologias que desenvolvem, implantam e prestam suporte, podem ter a chave para uma experiência positiva e rentável no menor tempo possível.

Acompanhe algumas informações que compilamos especialmente para o setor moveleiro a seguir:

Mobirise

OS 5 PRINCIPAIS DESAFIOS DA MIGRAÇÃO PARA A MANUFATURA INTELIGENTE

Conheça os principais obstáculos na introdução de processos produtivos automatizados na fabricação de móveis. Leia mais...

Mobirise

1- INTERRUPÇÃO DURANTE A IMPLEMENTAÇÃO

Processo de transição que compreende o conceito de Indústria 4.0. Novas ferramentas potencializam uma conexão de alto nível entre máquinas e pessoas. Leia mais...

Mobirise

2- FALTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS PODE ATRAPALHAR A MIGRAÇÃO

Cada vez mais, fábricas estão tornando-se mais inteligentes com avanço da Indústria 4.0. Com isso, a integração de sistemas torna-se primordial para otimização dos processos de produção. Leia mais...

Mobirise

3- O CONHECIMENTO POR PARTE DOS EMPRESÁRIOS

A Indústria 4.0 nos mostra que é um grande erro pensar que a tecnologia já evoluiu ao nível máximo na indústria. Leia mais...

Mobirise

4- DIFICULDADE DA MÃO DE OBRA QUALIFICADA

Indústria 4.0 deve atingir 21,8% das empresas brasileiras em uma década. Esse é um desafio que pode levar os empreendedores a investir mais na qualificação dos profissionais em destaque nas indústrias. Leia mais...

Mobirise

5- FALTA DE POLÍTICA NACIONAL. VAMOS AOS NÚMEROS

A meta do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços é que 15% das empresas brasileiras possam ser conceituadas como Indústria 4.0 em até oito anos.  Leia mais...

INDÚSTRIA 4.0 - SETOR MOVELEIRO

Os 5 desafios da tecnologia na manufatura moveleira.

Uma constante no setor industrial é a mecanização de processos produtivos com uso de automação, informática e robótica, o que popularmente ficou conhecido como Indústria 4.0 ou também como Tecnologias Avançadas de Manufatura (AMT, sigla oriunda do Inglês Advanced Manufacturing Technology). O Brasil já iniciou sua escalada rumo à essa tendência e pouco a pouco a indústria moveleira nacional reúne condições para sua implementação em ampla escala.

No entanto, uma série de desafios e entraves ainda dificultam a introdução de procedimentos assistidos por computador dentro das fábricas. A recente pesquisa Sondagem Industrial – visão dos líderes industriais paranaenses, referente aos anos de 2017 e 2018 e conduzida pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), apontou que, ao menos em território paranaense, há 5 principais problemas que dificultam a aplicação das AMTs.

– Diretor da SCM proporciona insights da Indústria 4.0 para industriais moveleiros:

O primeiro deles, apontado por 37,43% dos empresários entrevistados, é a “interrupção durante a implementação”. Em segundo, com 32,16%, aparece as “dificuldades em atingir as metas financeiras”. Mas esse problema não diz respeito à aplicação, mas sim a falta de conhecimento por parte dos empresários. Depois figura, com 30,41%, a “falta de integração entre os sistemas utilizados”.
Tais obstáculos impedem ou retardam os benefícios que sistemas automatizados conferem à produtividade industrial.

- Outros desafios das AMTs na indústria moveleira: 

Como todos os outros segmentos, a indústria moveleira no Brasil ainda batalha para colocar-se em dia com as mais avançadas tecnologias digitais de produção. Boa parte das entidades ligadas ao setor afirmam que a dificuldade da aplicação das AMTs  também se dá por: o conhecimento por parte de empresários.

O presidente do Sindicato das Indústrias de Móveis de Arapongas (Sima), Irineu Munhoz, diz que a falta de conhecimento é um dos aspectos complicadores da indústria 4.0. “Acredito que exista um grande desconhecimento por grande parte de empresários moveleiros da tecnologia de automação, além do aspecto econômico, a necessidade de capital para investimento em softwares, hardware e pessoas especializadas”, afirma Munhoz.

Apesar das entidades industriais paranaenses avançarem nessas discussões, o tema não se restringe a um único Estado. Outros polos moveleiros também apontam os desafios das AMTs nas fábricas de mobiliário. O Sindicato Intermunicipal das Indústrias de Mobiliário de Ubá (Intersind), de Minas Gerais, atribui à falta de competência técnica e a despreocupação do governo brasileiro como as principais barreiras do avanço tecnológico.

“O primeiro fator diz respeito a capacitação da mão de obra, que é um problema nacional. Em Minas Gerais temos boas escolas técnicas e em Ubá há muitos cursos técnicos para esse novo conceito industrial. Trata-se de tema que precisa ser trabalhado desde a oitava série, desde os 14 e 15 anos, pensando no emprego do futuro. O segundo fator é uma falta de política nacional para a indústria. Ainda há dificuldade para acesso a linhas de crédito, o custo de investimento é muito caro. O governo precisa promover facilidades a custos competitivos”, afirma o presidente do Intersind, Aureo Calçado Barbosa.

Compartilhe!

INDÚSTRIA 4.0 - SETOR MOVELEIRO

1- Interrupção durante a implantação de sistemas de automação.

Por onde começar o processo de transição?
Compreender o conceito da Indústria 4.0
Um ponto fundamental é antes compreender a importância e impacto para o empreendimento no uso de ferramentas da Indústria 4.0. Estas novas ferramentas potencializam uma conexão de altíssimo nível entre máquinas e entre pessoas no chão de fábrica.

Isto traz uma diversidade de vantagens:

- Aumento da produção através do compartilhamento de dados e flexibilidade;
- Segurança: menos operadores no chão de fábrica em contato com o maquinário;
- Maior habilidade em customização de produtos;
- Menor ocorrência de perdas e de qualidade;


Analisar a automação vigente na planta.
É importante mapear e identificar os aspectos da Indústria 4.0 que são mais relevantes para implementação, a partir do conhecimento do que já existe na planta e do que é atualmente crucial para a manutenção de produtividade e qualidade.

Algumas perguntas podem ser feitas como guia de mapeamento do que existe atualmente na planta industrial. Vamos a elas:

Qual a minha capacidade de operação em tempo real?
Na Indústria 4.0 o processo produtivo funciona com uma nova abordagem de aquisição e tratamento de dados, que são instantâneos. Com o IoT (Internet das Coisas), a intercomunicação entre as máquinas torna a captação de dados bem mais ágil e flexível através de softwares de gestão;

Tenho sistemas de virtualização?
virtualização é um dos passos para implementar a indústria 4.0

Esta abordagem faz uso de softwares de simulação e sistemas supervisórios para monitoramento e rastreabilidade remota de todo o processo de produção. Possibilitando a identificação de falhas em diversos pontos remotamente.

Tenho algum grau de descentralização na minha planta?
Uma das bases da Indústria 4.0 é a tomada de decisões descentralizada e em tempo real, onde todo o maquinário recebe comando e fornece informação sobre seu ciclo de trabalho.

Tenho algo parecido com modularidade?
Este conceito gira em torno da ideia da produção acontecer em módulos, ou seja, blocos com máquinas e sensores capazes de tomar decisões de forma independente, mas sempre mantendo a intercomunicação entre eles.

Esse layout de produção possui vantagens como:

Configuração industrial mais produtiva;
Facilidade de desenvolvimento e projeto;
Balanceamento de produção (evita gargalos).

Otimizar o processo existente.
Um dos principais pontos para se implementar a indústria 4.0 na planta é de otimizar o processo, ou seja, de torná-lo mais eficiente.

Para tornar um processo eficiente, é fundamental conhecê-lo bem antes de qualquer coisa. Isso é possível com ferramentas que fornecem uma visão global do processo. Estas ferramentas são capazes de, por exemplo, dizer em qual etapa do processo produtivo está um produto ‘x’.

Este é um dos pilares da indústria 3.0, uma grande tendência e uma necessidade para as empresas que buscam os avanços da indústria 4.0. Isto significa que muitas empresas precisam solidificar esse conceito base da otimização e da visão global, antes de seguirem em frente com as inovações mais recentes.

Compartilhe!

INDÚSTRIA 4.0 - SETOR MOVELEIRO

2- Falta de integração entre os sistemas.

Cada vez mais, mais fábricas estão se tornando inteligentes, beneficiando-se das mais recentes inovações, como a Internet das coisas (IoT) para otimizar seus processos de produção. É fato também que as inovações exigem a capacidade de coletar, compartilhar e processar grandes quantidades de dados.

No entanto, se todos os sistemas usados ​​para gerenciar cada fase da fabricação estiverem separados um dos outros, os gestores não poderão reunir as informações que precisam.

Permitir o livre fluxo de informações em cada etapa do ciclo de produção é necessário para preparar o caminho para a fábrica do futuro. Os principais sistemas dentro do ciclo de fabricação precisam estar conectados para otimizar os níveis de produtividade e desempenho.


Um ambiente de chão de fábrica integrado com um sistema de gestão empresarial (ERP), sistema de gerenciamento de produção (MES) e gerenciamento do ciclo de vida do produto (PLM) habilita a empresa para a Indústria 4.0, conectando sistemas centrais e fornecendo aos fabricantes todos os dados necessários para obter as informações necessárias para atingir níveis mais altos de qualidade e produtividade.

Compartilhe!

© Copyright 2018 Poidea - Todos direitos reservados.